Faça um detox financeiro ainda em janeiro!

Mudanças simples podem mudar o seu orçamento do ano todo

O começo do ano pode ser bem complicado para o orçamento, são inúmeros os gastos que surgem: IPTU, IPVA, matrícula e material escolar das crianças, gastos com viagem e por aí vai. Sendo assim, cortar alguns gastos desnecessários é um bom caminho para contornar o excesso de contas e não ficar no vermelho. Confira alguns:

Cheque especial

Se no ano passado o cheque especial já dava dor de cabeça para muita gente, esse ano ele vai pesar ainda mais no bolso dos brasileiros. De acordo com uma nova regra do Banco Central, agora os bancos podem cobrar uma porcentagem dos clientes que simplesmente têm um limite acima de R$ 500, usando o valor ou não. 

Essa tarifa pode ser de até 0,25%, por isso, vamos supor que você tenha um limite de R$ 5 mil de cheque especial, a instituição financeira pode cobrar 0,25% de R$ 4.500 (até R$ 500 não tem tarifa), o que dá R$ 11,25 por mês. 

O Banco Central, por outro lado, limitou os juros do cheque especial a 8% ao mês. Antes a média era de 12%. Por mais que o valor tenha diminuído, ainda são juros altos. Para quem utiliza é um desfalque no final do mês.

A mudança dos 0,25% passa a valer a partir de 1º de junho de 2020. Os bancos têm a obrigação de entrar em contato com o cliente para avisar da taxa. Contudo, a dica é que você já procure seu banco e solicite o cancelamento ou a diminuição do limite para R$ 500, isso evita confusões no futuro e claro, gastos desnecessários.

Pacotes bancários

Será que você precisa mesmo de tantas folhas de cheque, DOC’s, TED’s extratos e saques por mês? Geralmente esses serviços são oferecidos dentro de uma cesta pelos bancos. Agora com o advento do Internet Banking você pode contar com os serviços necessários na tela do celular.

Negocie com o seu banco um pacote personalizado mais em conta, apenas com os serviços que você utiliza. Além disso, se você preferir um mais básico, pode contar com um pacote gratuito de conta corrente que todo banco tem a obrigação de oferecer, de acordo com as regras do Banco Central.

Pequenos gastos na rua

Pode parecer pouco, mas muitas vezes vamos na rua resolver alguma pendência, dá aquela sede e acabamos comprando uma garrafinha de água. Esse gasto pode ser evitado se você levar a sua própria garrafa de casa.  Vamos supor que você compre duas garrafas de água por semana, R$ 4 cada uma, por ano isso significa R$ 416. Já é uma parte do IPVA, por exemplo.

O mesmo vale para os lanchinhos, sempre que sair, principalmente com as crianças, leve alguma coisa para comer na bolsa. Essa ideia além de economizar, ajuda na saúde, nem sempre as opções de lanche na rua são saudáveis. 

É a economia aos poucos que ajuda que o orçamento não fique apertado e você possa até guardar e aplicar o que sobrar.

 

Tags: finanças

Veja mais