Caiu na “Black Fraude”? Veja o que fazer

Procon-SP registrou aumento de 45% em atendimentos sobre Black Friday

Na última sexta-feira (29), aconteceu um dos eventos mais aguardados pelos consumidores, a chamada Black Friday, dia dedicado a descontos. O clima é de euforia, algumas pessoas passam meses esperando para comprar um produto específico na promoção. Contudo, nem todas as empresas agem de boa fé e existem alguns golpes em que se deve tomar cuidado.

O desempenho do mercado na Black Friday 2019 superou as expectativas, o varejo online, por exemplo, faturou R$ 3,2 bilhões, 23,6% a mais que a mesma data no ano anterior. Do outro lado, o Procon-SP registrou um aumento de 45% nos atendimentos em relação a 2018.

Os campeões de reclamação foram as redes de fast food, Burguer King e Mcdonald's. As duas marcas travaram um verdadeiro desafio competindo para ver qual garantiria mais descontos. 

De acordo com o Procon-SP, os principais problemas foram: maquiagem dos preços; mudança de preço ao finalizar a compra; pedido cancelado após finalizar a compra; produto ou serviço indisponível; não entrega; demora na entrega; e site fora do ar. Já o site Reclame Aqui indicou os produtos que mais receberam reclamação. Podemos citar: celular; perfume; plano pós-pago de celular; games online; e serviços de entrega produtos para pets. 

Conheça seus direitos

Se você aproveitou alguma dessas ofertas ou qualquer outra no período da Black Friday e teve problemas, saiba que você tem como ir atrás dos seus direitos e não ficar no prejuízo. 

O primeiro caminho é procurar o Procon do seu estado, no site consumidor.gov (https://www.consumidor.gov.br/pages/principal/orgaos-gestores) tem a relação de contados das unidades. Você precisa levar cópia do RG; cópia do CPF; cópia da nota fiscal; cópia do contrato (se tiver); ou qualquer documento que comprove o vínculo entre o consumidor e o fornecedor. 

Em alguns casos, você pode contar também com o Juizado Especial ou com a delegacia do consumidor. Já nas fraudes coletivas, o grupo pode fazer uma denúncia no Ministério Público. A ação garantirá proteção aos envolvidos.

Se o caso for propaganda enganosa, por exemplo, você pode exigir o cumprimento do que foi ofertado; exigir produto ou serviço equivalente; ou exigir a rescisão do contrato e a devolução do valor pago, com correção monetária.

Já nas falsas promoções, o ideal é comprovar o que foi oferecido, por meio de folhetos ou prints dos sites. Você pode recorrer também no caso de ofertas verbais, contudo, também é necessário comprovar o que foi oferecido, nem que seja por meio de testemunhas.

Vale também fazer uma denúncia no site Reclame Aqui. A plataforma reúne relatos de reclamação sobre todo tipo de empresa. Lá eles criam um ranking de melhores e piores, o que afeta diretamente a imagem das marcas. Além disso, eles possibilitam que as empresas respondam às reclamações. 

Não importa quanto você gastou, qualquer fraude tem que ser denunciada e você deve ser devidamente ressarcido.

Tags: consumo

Veja mais